Doula

Doula 2017-10-01T23:34:12+00:00

A Doula…

A Doula…
…é uma profissional, preparada para dar suporte emocional, físico e informativo, no pré, durante e pós parto.

…já viveu a experiência da maternidade, e reconhece esta fase como uma, se não mesmo a mais importante, da vida da mulher e da qual guardará memória para sempre.

…apoia a mulher e acompanhante a prepararem-se e a procurarem alcançar os seus planos e desejos para o nascimento.

…proporciona apoio emocional, formas de conforto físico, ajuda a encontrar um objectivo visual de referência e faculta informação que ajude a mulher a tomar decisões.

…tem um papel de suporte e apoio tanto para a mulher, como para o acompanhante.

A Doula informa e ajuda…

Na Gravidez

…disponibilizando-se para falar consigo sempre que necessite de esclarecer as suas questões e receios.

…a planear o parto que deseja e a preparar o nascimento, apoiando e respeitando os seus desejos.

…a preparar e organizar tudo o que é necessário para o parto, pós parto e para o bebé.

…com contactos e partilhas. O leque de vivências e experiências vividas com os outros casais, e os diversos locais de parto poderão ser úteis na sua escolha.

 

No Parto

…permanecendo consigo durante todo o trabalho de parto, dando suporte físico e emocional de uma-para-uma, tanto em casa, como no hospital – sempre que o permitam.

…a encontrar posições mais cómodas, propondo formas de respiração favoráveis, ajuda com técnicas de relaxamento, massagens…

…complementando o apoio que habitualmente os serviços de saúde disponibilizam para este momento à Mãe/Casal e Família.

 

No Pós-Parto

…na amamentação e nos cuidados do bebé.

…transmitindo-lhe confiança, dando suporte emocional.

…fazendo-a sentir-se acompanhada, cómoda e se necessário apoiada nas cargas domésticas, para que se possa dedicar ao bebé e a si.

Como surgiu a Doula?

No final da década dos anos 80, realizaram-se vários estudos científicos, com o objectivo de avaliarem os benefícios de determinadas práticas de saúde materna no momento de trabalho de parto e pós-parto.
Concluiu-se que as Mães acompanhadas por uma mulher, que lhe prestasse ajuda emocional e física, durante todo o trabalho de parto, tinham resultados surpreendentemente melhores, reduzindo:

de cesarianas: 50%
do tempo de trabalho de parto: 25%
do recurso aos fórceps: 30%
do recurso à oxitocina: 40%
do uso de epídural: 60%
do recurso a analgésicos: 30%

Problemas na amamentação

Incidência de depressão pós-parto

Dados publicados no livro “ Mothering the Mother” de Marshall H. Kalus, Phyllis H. Klaus e John Kennell.

Doula é uma palavra de origem grega, que significava “a serva que ajuda outras mulheres”.

Agora é conhecida, como representando o apoio específico e contínuo no domínio dos apoios à saúde materna.

O apoio emocional e físico, constante e ininterrupto, é uma das recomendações da Organização Mundial de Saúde, para o nascimento e suportada cientificamente pela Biblioteca Cochrane:
“Concluímos que todas as mulheres devem de ter apoio contínuo durante o trabalho de parto. O apoio contínuo demonstra ser mais eficiente quando prestado por alguém que está exclusivamente presente para esse efeito, que não é membro do ciclo social da mulher,  é experiente na prestação deste apoio no parto, e tem no mínimo uma formação básica. O apoio prestado por alguém alguém da família ou amigo, parece aumentar o nível da satisfação da mulher com a experiência de parto.”

O meu acompanhamento de Doula de Parto

Zona Geográfica

De momento estou disponível para prestar apoio num raio sensivelmente de 50 km, tendo como ponto de partida, Sesimbra. Poderei em situações pontuais “ir” um pouco mais longe, dependendo muito do tipo serviço que for definido no primeiro encontro. O que proponho é:

Gravidez

  • Até 3 encontros durante a Gravidez (a)
  • Apoio na elaboração do Plano de Parto
  • Curso NascerSaudável e Workshops sobre o Parto (a realizar no espaço BioNascimento)
  • Contactos ilimitados por telefone e email

(a) O tempo previsto para cada encontro vai das 2 a 4 hrs.

 

Parto

  • Apoio contínuo durante o Trabalho de Parto e Parto
  • Apoio no Pós-Parto
  • Apoio no início da Amamentação
  • Disponível 24hrs p/ dia durante o Período Previsto de Parto

 

Pós-Parto

  • Apoio à família
  • Apoio informativo nos cuidados do bebé e apoio à Mãe para que possa cuidar do Bebé (a Doula só em caso de muita necessidade é que prestará apoio físico nos cuidados com o bebé).
  • Aconselhamento na Amamentação
  • Apoio básico nas actividades domésticas

Temas possíveis de abordar nos encontros:

  • Anatomia e Fisiologia do Parto
  • Desejos para o Parto
  • Dor no Parto
  • Medos e receios do Parto
  • Expectativas
  • Respiração “Inconsciente” vs “Respiração Consciente”
  • Posições para o Trabalho de Parto e Parto
  • Plano de parto e local de parto
  • Preparação para a Amamentação
  • O Pai durante o trabalho de parto, parto e pós-parto

…e todos os demais temas que a mulher/casal sinta necessidade de informação e que se enquadrem na função da Doula de Parto abordar, ou responder.

Se pensa recorrer ao meu apoio como Doula de Parto

…estarei sempre a contar que me contacte, por isso, não hesite!

…partilharei contactos, vivências e experiências dos  anos já percorridos como Doula e mais de uma centena de famílias apoiadas.

…procurei ajudá-la a reforçar a sua confiança, identificando os seus pontos fortes e aspectos a que precisa de focar a sua atenção, de forma a se proteger e ao seu bebé.

…não tenho formação médica ou de enfermagem, daí que não realize qualquer ato médico como: medir tensão arterial, escutar o bebé, toques vaginais, etc. A vigilância e acompanhamento prestado por um Profissional de Saúde é fundamental na sua gravidez, parto e pós-parto.

…como Doula não posso tomar decisões por si. Irei auxiliá-la com informação, no sentido de poder fazer escolhas conscientes. Ao delinear os seus desejos para o parto, se houver divergências, irei ajudá-la para que as ultrapasse.

…não compete à Doula falar com os profissionais de saúde por si, relativamente a assuntos sobre os quais estejam a ser tomadas decisões. A Doula conversará consigo sobre as suas dúvidas e poderá sugerir opções. Mas só a Mulher/Casal deverá falar sobre si próprios com a equipe médica.

… tenho backup, pelo que, se por alguma razão estiver impossibilitada de vir a cumprir o acompanhamento previsto, serei substituída por alguém da minha confiança, e que conhecerá previamente.

…o contacto comigo não substitui o contacto com o profissional de saúde que a segue. Em situações imprevistas, o procedimento deverá ser de procurar chegar ao hospital mais próximo o mais depressa possível, ou chamar o 112.
A Doula é um apoio que pode ser importante, mas você e o seu acompanhante são as pessoas chave, sendo que você – Mãe – em conjunto com o seu Bebé serão os atores principais deste enredo.

Testemunhos

Minha querida Mãe de viagem! Fiquei mais Rica quando te conheci, estou grata pelas nossas partilhas, por me ouvires sem preconceitos, por poder escolher livremente, e tu com a tua experiência aconselhares tão sabiamente e com a sabedoria de uma papisa em respeitar com um sorriso todas as decisões que tomamos! Senti que era acompanhada e que te tinha ao meu lado! Estou grata por nunca me teres deixado quando o meu Francisco optou por não mamar! Fico feliz por fazeres parte desta viagem tão rica. Um beijo enorme em ti,
Marta
Acho que nunca te disse isto como deve de ser, mas o parto que tive, o nascimento lindo do meu filho, nunca teria sido como foi se não me tivesse cruzado contigo e com a Bionascimento há quase dois anos atrás. Muito obrigado mesmo.
Rita
Sandra,
São poucas as palavras que consigo usar para expressar tudo o que sinto, tudo que envolve a minha alma… Na verdade é muito mais que tudo aquilo que alguma vez conseguirei escrever.

De 2011 levo comigo uma gravidez muito bem vivida, uma filha que eu quis parir sem pressas e consegui, e a ti, Sandra, a quem devo tudo isto! Contigo soube quais os caminhos possíveis, os becos sem saída, e como chegar ao arco do triunfo. Foi uma vitória merecida, para todos nós!

Sou eternamente grata e muito mais feliz por te ter na minha vida!

Um abraço muito bem apertado e que 2012 seja um ano de mais conquistas, muita Saúde e Amor.
Elisa Melo

O Caio foi concebido algures em Novembro de 2011 e nasceu dia 2 de Agosto de 2012 em Lisboa, à 1.24am, com os seus 3960g. Foi um ano marcado com eventos maravilhosos e outros muito tristes. A mãe do meu marido, Zach, diagnosticada com cancro do ovário, piorou, vindo a falecer em Abril, estava eu grávida de 6 meses. O Zach é Americano, e passou vários meses nos EUA durante a gravidez, para estar perto da sua mãe. Foi muito difícil para nós, estar separados e rodeados por tristeza numa altura em que o normal é estar feliz, a preparar a chegada de uma nova vida, tão desejada.

É o nosso primeiro filho e a verdade é que quando engravidei não tinha muitas expectativas em relação ao que queria que acontecesse no parto. No entanto, na nossa primeira visita ao medico, comecei a aperceber-me que afinal tinha opiniões e que, principalmente, sabia o que não queria! Foi numa conversa com uma colega de trabalho que as minhas ideias ficaram mais claras, que eu percebi que gostava de ter um parto o mais natural possível, e se tornou óbvio que precisava de ajuda. Foi aqui que a Sandra entrou. Encontrei a Sandra pela primeira vez nas Docas de Lisboa e foi uma aventura conseguir arranjar tempo para a Sandra conhecer o Zach, constantemente a viajar. Para mim foi amor à primeira vista, adorei esta mulher cheia de força desde o primeiro minuto. E a Sandra e o Zach acabaram por se conhecer mais tarde, tendo o meu marido sentido a mesma empatia (o Inglês fantástico da Sandra ajudou imenso também!).

A gravidez em si correu muito bem, sem nada de anormal a assinalar. Estive sempre ativa (talvez até demais!) até ao último dia. As águas rebentaram a 1 de Agosto de manhã, exatamente às 40 semanas. Liguei à Sandra que rapidamente chegou a nossa casa e onde decidimos que ficaria em casa até não “aguentar” mais. O parto estava programado para acontecer num hospital privado, e sabíamos que se chegasse lá muito “cedo”, me iriam tentar apressar, o que eu não queria. O bebé foi monitorizado por uma parteira e só a meio da tarde é que entrei em trabalho de parto. Foi um dia maravilhoso. Sinceramente, passados 5 meses, já não me lembro das dores. Só me lembro do trabalho fantástico que a Sandra e o Zach fizeram, pelo apoio, força e amor incondicional que tive nesse dia, por me terem ajudado a fazer aquilo que a minha cabeça e corpo desejavam.

Lá fomos nós para o hospital no início da noite e foi aí que as coisas poderiam ter dado para o torto…sendo um hospital privado, é muito pouco dado a
práticas naturais e para ajudar à história, a minha médica nunca apareceu (soube mais tarde que estava de férias e até hoje nunca me disse nada!). Resumindo, não deixarem a Sandra entrar na sala de parto e ficámos eu e o Zach sozinhos, à mercê da equipa médica que entre outras coisas não acreditava que o bebé saísse naturalmente porque era muito grande. Mas a tecnologia salvou-nos! O Zach levou o seu telemóvel e durante as 3 horas que estive na sala de parto trocou dezenas de mensagens com a Sandra que estava na sala de espera…que em simultâneo estava a tentar ajudar-nos e a apoiar os meus pais.

E o Caio lá nasceu. É difícil descrever o que senti, um misto de prazer e alegria imensa, de força, de orgulho em ser mulher. Um amor imenso pelo meu marido (sem ele nunca teria conseguido que o Caio nascesse de parto natural) e pelo nosso filho. Uma gratidão sem fim ao Zach e à Sandra por me terem ajudado.

Como é óbvio, tenho uma única experiência, que não posso comparar. Mas a Sandra foi tudo aquilo que nós queríamos e mais. Nós somos investigadores e apreciámos imenso o espírito da Sandra, sempre a questionar tudo, sempre a querer saber mais. Mas mais do que o conhecimento da Sandra, o que mais nos tocou foi o seu carácter humano: a força que nos deu, como nos ajudou a perceber que nós temos controlo sobre a situação e principalmente, como fez com que o Zach percebesse que o papel dele era fundamental para eu conseguir realizar o meu sonho. Para mim, talvez seja essa a característica que mais apreciei na Sandra como doula, o facto que nos fazer acreditar que somos capazes e a mobilizar estas forças escondidas que não sabemos que possuímos cá dentro.

Se houver um segundo, espero ter a Sandra por perto outra vez…e quem sabe desta vez tenha a coragem para o fazer em casa até ao fim!

Bom 2012 para todos!
Susana Lima

I am a foreigner in Portugal, accompanying my husband who is here for a 3 years project. I have a history of orthopedic problems which got even worse in pregnancy. I had lost 2 pregnancies before, and was extremely worried. We have no family here, and a badly managed or difficult or prolonged normal labor could lead to severe spinal / pelvic damage for me. I needed to be healthy postpartum, to be able to care for my baby. Correctly managed, I would need cesarian section, but the doctors did not seem to be aware of “pelvic girdle dysfunction” or my chronic spinal conditions. I failed to get the orthopedics to see me even after 2 referral requests.

One day as I broke down and cried due to pain, I started searching on the internet and came across this strange word, DOULA. As I read more and more, I became sure this is what I need. And I searched for DOULA PORTUGAL and came across Sandra’s name. I wrote to her in English, and really didn’t expect her to reply back. She did, and like they say, the rest is history. She accompanied me to the hospital for my consultations on two occasions, and
perhaps due to her advocacy, I expressed my concerns and the doctors decided to schedule a CS for me. When I got into labor 3 days before the scheduled CS, she was the only phone call we made, and she came and stayed with us through the whole thing- and I was finally taken into emergency CS, when I was already 5 cm dilated. My little angel was born at 2330 hours, and I am sure Sandra must have missed her dinner that night. I will remember that, always. I recovered slowly from my spinal and pelvic pain in the post partum period, I still have a slight dysfunction at the pubis symphysis, and I am very glad that I had a cesarian section.

She comforted me through many things, encouraged me to overcome many problems, and gave immense support to my husband. She had familiarized me with the hospital knowing that I was a foreigner. She helped us though the whole event and even afterwards, giving us a ride back home, lending me a wonderful breastfeeding pillow, and always a phone call away, always ready with her calm advice. Even as my little angel turns 4 months next week, I continue to draw courage and strength from the knowledge that Sandra is only a phone call away. And recently when she met me and held my daughter in her arms, she said my daughter has a light in her eyes, and we both cried…

Though I had an institutional birth, a surgical birth, still the doula remains incredibly entwined with the whole birth experience and permanently engraved in the origin of my daughter’s life. How amazing it must be for Sandra to hold the little babies she has helped come into this world, by helping their families.
Sandra truly is a wonderful doula, with her compassion, kindness, courage – the pregnant woman is a vulnerable person, who really needs someone to encourage her to speak out her beliefs and requirements. Sandra acted as my interpreter too, at the hospital.

Sandra also is an amazingly attached mother, and supports and understands many of the natural things I do, which are not popular in western countries. She is very knowledgeable, and keeps herself updated. But in spite of that, she brings the humanity and naturalness back into childbirth and parenting, the art of which sometimes get overshadowed by the bright torch of science.

I will also like to take this opportunity to thank from the bottom of my heart, the nursing staff at Hospital Garcia de Orta, especially Elizabeth, Sara, Nelly (A big big thanks), a wonderful and kind student nurse Sofia, and many others whose names I am forgetting. At each change of shift, a nurse would come to me personally and let me know that she speaks English, and I can call her if I need anything. They were very compassionate and took wonderful care of everyone, in spite of a full ward. They really encourage breastfeeding and are very efficient. The nurses took very good care of my baby, especially the first days when I could not get up much. They tried to help me in every way possible, and made me feel secure. Nurse Nelly sat and spoke to me for hours the day I was being discharged, to ensure I did not have any questions unanswered.

Lastly, I would also like to thank Dr. Joao Alves, the doctor who examined me (and also operated on me, but I was unconscious!) – for his kindness in understanding my back pain- I have received such perceptiveness and compassion rarely from doctors who are not orthopedicians. Not that they don’t
care, rather like psychological disorders, my condition is an invisible pain that is difficult to understand by people who have not faced it. At that moment when I was in labor and in terrible orthopedic pain, his helping hand that pulled me up to sit and get down from the table was like an angel’s hand. He also came to meet me once before I was discharged, but I could not speak to him much or thank him adequately as I was breastfeeding with the help of a nurse. If he ever reads this, I wish to tell him that I will always be grateful for his compassion that day.
An Indian Mother

O nome Sandra significa: “mulher que ajuda a humanidade”. Mas na minha opinião (e de tantas outras mulheres concerteza) posso acrescentar mais ainda: Doula, Grande Mulher e acima de tudo Mãe. E eu tenho imensa sorte em ter uma Sandra sempre por perto…
Helena Santos
Faz hoje 22 dias que vivi o dia mais feliz da minha vida. No dia 26 de Outubro nasceu o meu Miguel Maria e a minha vida recomeçou.
Não podia deixar de, neste dia especial – 17 de Novembro – registar o meu agradecimento à querida Sandra Oliveira e tentar, neste seu aniversário, presenteá-la com a minha muito sincera gratidão.

Sempre vivi apavorada com medo do parto mas, ainda assim, com uma imensa vontade de ser mãe. A gravidez trouxe-me uma enorme alegria mas, ao mesmo tempo, um medo tremendo daquele dia ao qual pensava não resistir. Como todas as futuras mamãs, pesquisei e li muita coisa e, um dia, deparei-me com o Bionascimento. De entre os vários perfis de Doulas que li, o da Sandra atraiu-me particularmente e pressenti que teria nela a ajuda que precisava para ultrapassar os meus medos. No nosso primeiro encontro soube-o, a Sandra seria mesmo uma grande ajuda, aliás, só nessa conversa tranquilizou-me e ajudou-me a ver tudo de uma forma mais natural e, à sua maneira, fez com que eu encontrasse dentro de mim uma enorme confiança.

Por motivos alheios aos nossos planos – e a natureza é assim mesmo, não nos deixa fazer grande planos nem seguir métodos rigorosos – o meu parto acabou por ser antecipado e acontecer por cesariana ( o que me assustava igualmente muito, assim como, todo o ambiente hospitalar). A verdade é que passei por todo o processo (inesperado) com uma tranquilidade surpreendente e muito o devo à Sandra que soube explorar os meus medos e dar-me dicas para os ultrapassar. Posso dizer que o meu parto foi uma experiência magnifica e até já tenho saudades desse dia.

A Sandra demonstrou, em todo o processo, uma disponibilidade, preocupação e capacidade de ajuda incansáveis. Sem dúvida ajudou a que hoje, ao meu 22º
dia de maternidade, eu me sinta calma, realizada e extraordinariamente feliz por ter abraçado esta experiência que recomendo a todas as mulheres.
Um grande Obrigado a si, Doula Sandra.
Inês

… Indiscutivelmente nunca olvidaremos o nascimento do nosso pequeno André, dos momentos mágicos passados durante o nosso trabalho de parto, da agradável e útil companhia do meu mais que tudo nesse momento, das intermináveis horas a andar e andar e andar… e andar! antes e durante o trabalho de parto, tudo foi lindo, tudo foi mágico, tudo foi especial, tudo foi como queríamos, e dificilmente esquecerei que tive uma presença chave nisto tudo, alguém que nos ajudou a acreditar ainda mais em aquilo que acreditamos, alguém que soube dar a ajuda certa no momento certo, dificilmente te esquecerei Sandra… e sempre que o nosso André fizer anos (e esperemos que sejam muito e muitos mais) sempre me recordarei de ti. A tua ajuda foi importantíssima para a chegada dele.

Muchas Gracias… de corazón!
Hanna, Rui e André

O primeiro parto é sempre um momento muito marcante na vida de uma mulher!
Eu fiz questão de estar bastante informada, frequentei parte de um curso de preparação para o parto, passei a gravidez rodeada de livros sobre o assunto, pesquisei na net, falei com amigas já mamãs…

Sabia bem o que queria para o meu parto, fiz o meu plano de parto sozinha, tinha tudo preparado… Até que a minha médica me recomendou a Sandra como doula.
Estava já no final da gravidez, esperava fazer o parto com a minha médica, uma pessoa muito especial, e embora tivesse interesse em conhecer a Sandra, confesso que cheguei a ter alguma dúvida se seria realmente necessário.
Perante tudo isto, afinal, o que ganhei em tê-la como doula?

  • Ganhei a experiência de abrir a porta do meu coração e confiar em alguém que mal conhecia para um momento tão especial da minha vida;
  • Recebi o calor, a força e a solidez do seu apoio solidário, e o seu sincero «estou presente aqui e agora contigo»;
  • Relaxei ainda mais no final da gravidez porque soube desde logo que podia confiar inteiramente nela! Sabia que além do Luís, o meu marido, tinha uma pessoa só para mim, para me (e nos) apoiar a qualquer hora e dia;
  • No parto ajudou-me a enfrentar com coragem e ânimo todos os momentos;
  • Motivou-me para nunca ceder ao cansaço e à tentação da preguiça;
  • Esteve sempre do meu lado como uma fiel guardiã e amiga;
  • Ajudou-me a enfrentar o momento mais difícil, e a aceitar a tão indesejável epidural, a oxitocina, o soro, o CTG permanente, a cama, enfim, tudo o que foi possível adiar durante 30 horas;
  • Na cesariana captou imagens maravilhosas, e esteve presente juntamente com o Luís num dos momentos mais lindos e maravilhosos da minha vida;

No início da amamentação, apoiou o meu instinto com naturalidade e firmeza …
Agora que o parto já lá vai e a amamentação está a ser bem sucedida, permanecerá a cumplicidade, a empatia e a amizade!

Por tudo isto e muito mais Sandra, tens e terás sempre um lugar muito especial no meu e no nosso coração!!!

E revelaste-te essencial no apoio, carinho e força que sempre me transmitiste!
Mónica do Nascimento Pereira Ferreira

Desde o início que houve uma forte empatia entre nós. A Sandra foi sempre muito profissional e esteve sempre disponível para tudo, foi incansável! Confesso que ultrapassou as minhas expectativas e fez-me viver o nascimento do meu primeiro filho (que por si só já é fascinante), de um modo ainda mais espectacular e muito mais tranquilo e harmonioso. Tornou-me mais informada, mais segura, mais humana e conseguiu muitas vezes antecipar e, em simultâneo, reagir ao que se estava a passar comigo. Ofereceu conselhos preciosos, sem nunca se intrometer, de um modo prestável e carinhoso. Recordo sempre com um sorriso rasgado os momentos que passamos juntas, em especial o “nosso” trabalho de parto (até irmos para o hospital), que foi árduo para todos, mas muito divertido. Hoje, que já sou mãe, não me imagino a passar esta experiência sem a ter connosco.
Ana Costa
…A minha Doula foi como uma amiga que esteve sempre comigo quando eu mais precisei, e apesar, de me considerar uma pessoa informada e destemida, na altura que as minhas dúvidas e anseios de mãe (pela primeira vez) surgiram, ela esteve lá!
Paula Seixas
A ajuda da Doula permitiu que pudesse ver crescer o meu “2º tesouro” apenas só com o leitinho da “mãe natureza”…e como é bom ouvir…. o leite é mesmo bom…que gorducho!!
Isabel Jorge
Queria aqui agradecer pessoalmente e um pouco pela Rute à Doula Sandra Oliveira todo o apoio prestado nesta última fase de gravidez da Rute, uma vez que nós já nos conhecemos muito no fim. Se não fosse ela, acho que a Rute não teria tido a coragem que teve em se submeter a um parto normal (sem Oxitocina e sem Epidural), pois quando percebi que o bebé iria nascer nas próximas horas foi importante ter recebido aquele telefonema da Sandra a perguntar se eu precisava dela. É claro que respondi que sim, pois nada melhor do que ter por perto uma pessoa com mais experiência destas coisas do que nós; e isso transmitiu-me uma segurança que ninguém pode imaginar, pois houveram momentos em que me estive quase a descontrolar e foi precisamente a Sandra, com a sua voz calma e ponderada que me acalmou nesses precisos momentos em que pensei que todo o trabalho que tínhamos tido para a Rute ter um parto normal mas hospitalar iria por água a baixo. Ainda agora tenho aquela sensação de “dever cumprido” que me fazem as lágrimas sair dos olhos, pois com a ajuda preciosa da Sandra consegui que a Rute se preparasse para o parto e tivesse o André sem recurso a drogas e fármacos. Aquela caminhada que fizemos antes da entrada no hospital, as respirações e as posições foram sem dúvida determinantes.

Por tudo isso e muito mais que é impossível descrever aqui: Sandra… o nosso muito, mas muito obrigado.
Zé Miguel

“A minha Doula”, é assim que me refiro à Sandra sempre que recordo o meu parto, foi uma das peças chave para que às 23h39 do dia 09 de Abril de 2005, eu pudesse finalmente ver o meu “feijãozinho” (foi assim que lhe chamei durante a gravidez)… digo uma das peças chave, porque com ela aprendi que somos nós, mães, que fazemos o nosso parto.

Com a Sandra, aprendi que podemos “planear” o nosso parto e tentar que o nosso objectivo se realize… O meu parto foi uma experiência maravilhosa, tão boa que não me importava de a repetir diariamente.

Tudo isto só foi possível porque a Sandra se atravessou no meu caminho e a única forma de conseguir transmitir o quanto foi importante para mim ter “a
minha Doula” comigo, é que irei querer a sua presença na próxima gravidez!
Rute

Eu sei que já passaram alguns meses após o nascimento da minha querida Bruna, mas nunca é tarde para um pequeno grande gesto.

Sandra, és mais que uma AMIGA, foste um momento precioso durante o meu trabalho de parto, só o facto da tua companhia, parece ter dado pequenas asas a esse trabalho tão moroso e delicado. Foste a Chave principal para abrir as portas que encurtavam as horas, minutos e segundos do meu destino à sala de partos. A tua presença, ajudou em diversos factores, tais como o que acabo de mencionar em cima, e também para me aliviar a dor e o sofrimento de estar deitada sem poder mudar de posição. Mil Obrigados. O nascimento da NOSSA Bruninha, ficará para sempre marcado pela tua preciosa prensa. Termino por aqui, porque senão terei que encomendar umas quantas páginas como esta, mas o sentimento que me está no coração, é maior que todas as palavras que te possa dizer. És uma mulher maravilhosa, que tem um carácter muito acima do dito forte. Continua como és.

Um beijo c/ mt carinho de toda a Família Lopes.

Se um dia me for dada mais uma vez essa felicidade e honra de levar a vida na minha barriga, escolherei novamente de ser acompanhada nesta maravilhosa aventura por uma doula, e de certeza Sandra Oliveira será essa doula.

A presença, a disponibilidade, a escuta, a benevolência da Sandra foram muito preciosos durante a minha gravidez, durante o parto e nos dias que seguiram o nascimento da Cloé.
A Sandra ajudou-nos a concretizar o nosso projeto de nascimento em casa, encontrar os profissionais de saúde (enfermeiras obstétricas e parteira) que nos acompanharam também, refletir sobre as nossas escolhas e cimentar a nossa auto-confiança nessas decisões, sentir-nos sempre apoiados, encontrar informações sobre o seguimento da gravidez, sentir-nos mais seguros sempre que surgiam dúvidas.
A Sandra escutava-nos, tinha confiança em nós, nunca duvidava das nossas palavras e nunca nos julgava.
Sabíamos que ela estava sempre perto de nós. Por mail, telefone e ao nosso lado, a Sandra esteve sempre connosco, à distancia certa. Não teve o papel duma mãe nem duma irmã, nem só duma amiga, nem só duma profissional.

Em poucas palavras, podemos qualificar a nossa doula como “aquela que nos quer bem”.

Kaïté Couëdel,
Tradução Artur Silva

Para mim ter uma Doula significava ter alguém em quem confiasse, que pode-se apoiar-me e pedir informações para esclarecer as minhas dúvidas, as dúvidas da minha família. Alguém que na hora do parto estivesse a meu lado tanto física como emocionalmente, que nos esclarecesse sobre o que passava no momento que desse a tranquilidade e a calma que um casal deseja no momento. Não pretendia alguém estranho que me ensinasse ou debitasse informação em cima de nós, gostaria de ter uma companheira com defeitos, medos, inseguranças tal como eu. Encontrei esse apoio durante toda a gravidez e parto, a Sandra questionou-me, fez-me questionar, duvidou, fez-me duvidar, acreditou e fez-me acreditar. Para o pai a Sandra funcionou como um elemento de ligação, fazendo com que ele fizesse parte de um acontecimento muito feminino, comunicou, ouviu-o, partilhou as suas dúvidas e deu a atenção merecida aos seus medos e as suas angústias.
Procurei uma Doula porque percebi que uma Doula era uma mulher que ajudava outra mulher a viver o seu parto da forma mais satisfatória possível, era uma mulher que a apoiava na realização do seu papel de mulher e mãe. É uma irmã mais velha, uma educadora e muitas vezes uma amiga! A Sandra foi a nossa escolha e não foi por coincidência porque estas não existem! Mesmo sendo uma profissional de saúde, posso afirmar que aprendi muitas coisas com ela, principalmente no que diz respeito à naturalidade, da vida, do parto, do nascimento e desenvolvimento da criança e também dos pais! A Sandra esteve presente antes, durante e depois do nascimento, sempre que precisei. Ensinou-me, tranquilizou-me e apoiou-me para que tudo corresse da melhor forma possível. E conseguimos: um parto natural, com a utilização da água como recurso com a presença do pai e das mulheres, Doula e minha mãe durante o trabalho de parto:D Senti que o Diogo, a Sandra e a minha Mãe cuidavam de mim, e a Sandra cuidava do Diogo e da minha Mãe.
A Sandra é uma mulher experiente, disponível e muito conhecedora destes temas relacionados com a saúde da mulher e bebé. Foi através do conhecimento partilhado, e da confiança nas mulheres que a Sandra transmite que eu me senti mais capaz, segura e confiante para o nascimento da bebé e da Mãe que viria a ser! É uma mulher que entende as mulheres e por isso, no nosso caso, teve uma intervenção que se estendeu até à avó, a minha mãe. Ela que foi mãe por 4 cesarianas sentiu-se grata e feliz com a sua presença e relação tão próxima. Eu senti que a minha mãe com este meu parto e porque a Sandra estava presente, reviveu a sua história como mãe e mulher e fez as pazes com o seu passado, compreendendo e integrando esta nova consciência do parto e nascimento com a sua história passada.
A Sandra passou a ser parte da família! Sinto-me realizada e orgulhosa desta família! Estou muito grata! Um grande bem hajas Sandra!

Marta Oliveira, Enfermeira, Mãe da Leonor Sofia, 8 meses e 4 dias após o nascimento , 25 anos.

Deixei-me levar pela vontade da Marta em procurarmos uma Doula e não sabia o que iria esperar, mas deixei que as coisas fluíssem. Fui descobrindo que a Doula é alguém que apoia o parto em todos os momentos, que para além de ter a sensibilidade de olhar e conhecer os gestos e olhares da mãe, também nos dá ensinamentos e segurança para que na hora H as coisas possam correr da maneira mais natural e desejável possível. Desde que soube que iria ser pai que estava tranquilo, pela tranquilidade que a Marta me dava, mas também pela Sandra. Foi a chave importante de todo o processo.
Foi uma lição de vida que tive e hoje admito que a Sandra foi muito importante para que o parto fosse o mais natural possível, pois tornou-se parte da nossa família e potenciou-nos os ensinamentos que já todos nós temos, mas que não sabemos como os utilizar.
Bem hajas Sandra…

Diogo Simões, Coordenador Pedagógico, Pai da Leonor, 32 anos.

Senti que a Sandra é uma pessoa em quem podia confiar! Sentia que a Marta estava segura porque estava com a Sandra, o que me deixava segura e confiante também!
À medida que o tempo foi passando, durante o trabalho de parto, fui descobrindo que a Sandra era uma pessoa que transmitia o valor e poder das Mulheres, foi muito intenso e senti que estávamos as 4 mulheres em sintonia! Formámos uma equipa com um objectivo comum: a realização do parto natural da melhor forma possível!
Aquela tarde, noite e dia, foram uma horas muito intensas de partilha e encontro, a Sandra passou de uma desconhecida a uma mulher que senti que já conhecia uma vida. Tornou-se parte das nossas vidas! Naquelas horas nós esperámos, conversámos, partilhámos, rezámos, chorámos, abraçámo-nos e rimos, foram momentos sentidos com muita intensidade!
Com a relação forte que foi iniciada naquele momento, partilhámos vivências e histórias que nos marcaram e conservo hoje uma amizade verdadeira que perdurará para sempre! Fica também a vontade de partilhar novamente o momento de um novo nascimento num futuro não muito longe!
Os meus 4 partos foram todos diferentes e depois deste parto, percebi que as coisas comigo poderiam ter sido diferentes se tivesse tido uma “Sandra” comigo nesses momentos. Senti que perdi muito. Hoje, sinto-me grata a Deus e a sua e nossa Mãe que nos enviaram a Sandra, por ela nos ter ajudado a conseguir alcançar o nosso objectivo.

Maria da Graça Oliveira, Técnica de acção directa num Lar de idosos, 53 anos.

Há já algum tempo que me apetece escrever-te. Quero desejar-te um ano pleno de luz, amor e de vida,…
porque te vi como uma “sopradora” de vida,…porque senti um sopro teu como um aconchego de uma brisa boa para que a vida da minha vida chegasse!
Queria dizer-te que a tua presença foi muito importante para mim. Foste uma “mostradora” de caminhos e assim senti-me mais segura em escolher aquilo que eu queria para o nascimento da Jasmim. É muito frequente parar e lembrar-me do parto e daquelas horas em que estivemos juntos, fica-me a imagem e o sentimento bom do nosso abraço quando chegava uma contração mais forte, a tua presença confortou-me muito e ajudou-me a recebê-la com mais força e coragem!
Por isso estamos gratas!
Sofia, Gonçalo e Jasmim

Doula Sandra Oliveira

Hoje percebo que a paixão pelo apoio á Maternidade está em mim desde tenra idade.

Ainda adolescente, e sem saber disso (e á semelhança de muitas outras mulheres, seguramente!) fui a Doula da minha mãe, no nascimento da minha irmã Sofia e um ano depois, no da minha sobrinha mais velha, a Tita. Isto tinha eu 15 anos de idade. Eu diria que estes nascimentos foram a “semente” e que me marcaram para sempre.

Fui mãe pela primeira vez aos 28 anos da minha filha Rita, e aí sim tudo ficou muito mais evidente. Um parto hospitalar feliz mudou-me! Em 2004, e após uma carreira na área de Customer Services, como Supervisora, decidi que era o momento certo para abraçar algo totalmente diferente a nível profissional. Com o imprescindível apoio da Enf. Isaura Pinhal, da Helena Pinto da DBM e claro do meu marido, nasceu o projecto Bionascimento.

Desde então que procuro responder às necessidades e vontades das mamãs e casais que me procuram. Gosto de aprender com eles, e com quem viva de uma forma mais prática o parto “no feminino”, daí não ter parado com meu processo de crescimento interior e formação se assim quisermos chamar. Sei que só assim poderei continuar a participar activamente e com qualidade na mudança que acredito ser necessária no nosso país e no mundo.

Em Maio de 2009 fui mãe pela segunda vez, desta vez de um rapaz – o Tiago. A vivência da maternidade nesta segunda viagem tem sido completamente diferente da primeira, tendo em conta todo o percurso que fiz desde 2004.

Sou muito feliz com o que faço, apesar de nem tudo correr sempre como gostaríamos, é uma profissão com a qual também eu cresço diariamente. Definitivamente este é o trabalho que me dá prazer fazer!

Sobre Sandra Oliveira
Tipos de Parto %
Cesariana 31 17%
Vaginal Medicalizado/ Instrumentalizado 49 28%
Natural 95 55%
Total 174
Tipos de Parto %
Hospitalar 122 70%
Casa 52 30%
Total de Acompanhamentos   174  100%

Perguntas Frequentes

Não é suposto a Doula ser sentida como imprescindível, costumo dizer que a Doula é um “acessório”, que se pode ou não utilizar; mas, como os acessórios, pode marcar a diferença. Sabe-se todavia que por norma a Doula ajuda em muito a que o Acompanhante se sinta também ele mais seguro, confiante e tranquilo. O parto e pós-parto são fases muito intensas e passíveis de alguma tensão; a Doula BioNascimento é uma pessoa com experiência e preparação para que, sem invadir a privacidade, possa prestar o apoio manifestamente necessário em cada fase.

Por outro lado, apesar do apoio da Doula ser prestado numa base emocional, não fazendo parte da família, a Doula consegue assegurar a “racionalidade” necessária para estes momentos, vivendo-os, no entanto, igualmente de uma forma emotiva e afectiva. Não se surpreenda se a Doula for a primeira a libertar
umas lágrimas de emoção…

“Nunca pensei, sendo eu mãe de cinco filhos, não conseguir aguentar ver a minha filha em trabalho de parto”. Este foi um desabafo da Mãe da primeira mamã que acompanhei como Doula, e que muito me ajudou a perceber na prática o quanto a Doula pode fazer sentido.

Não. Esse foi um erro que se cometeu em Portugal, quando se começou a falar de doulas e de parto humanizado associando sempre ao parto em casa. É definitivamente errado. O papel da doula é acompanhar a mulher independentemente do local. A essência da figura da doula como a conhecemos actualmente, é exactamente no contexto hospitalar.
Em Julho de 2005, fui contactada pelo primeiro casal que me abordou a hipótese do parto em casa. Era doula há 7 meses, e não hesitei em transmitir que não estava disponível para apoiar um parto em casa, pois eu não me sentia segura, e sentia que não poderia prestar um bom o apoio.Transmiti-o com toda a honestidade, e sugeri que procurassem outra doula.
Actualmente, desde que esteja assegurada a presença de dois profissionais de saúde, e as condições recomendadas para um parto em casa , faço estes acompanhamentos. Claro que isto só é assim, porque naturalmente, desde 2005, os vários acompanhamentos, vários tipos de partos apoiados e conhecimentos que tenho vindo a adquirir me ajudaram a construir a confiança necessária para o sentir. No entanto, também já recusei partos em casa. Tenho vivências muito intensas, e que muito me têm ensinado e feito reflectir. Daí que se alguma razão me suscitar insegurança, com muita transparência recuso o acompanhamento e encaminharei.
A maior parte dos casais que me procuram é para partos hospitalares.
Como Doula, entendo que o parto é algo que deve ser vivido e encarado com naturalidade, respeitando a sua fisiologia, sempre que possível. Se por alguma razão (clínica ou não) a opção da Mãe não for o parto natural, irei respeitá-la e apoiá-la. Entendo que o apoio da Doula é igualmente importante, talvez até seja mesmo mais importante. Esta foi a minha primeira grande lição como Doula, no primeiro parto que acompanhei, que foi exactamente um parto induzido. Procurarei ajudar a que a vivência da experiência do parto e a do pós-parto seja a mais positiva possível, independentemente do tipo de Parto que for. O tipo de apoio que lhe irei prestar será adaptado às circunstâncias, não mudando em nada o meu padrão de qualidade. Se optar por amamentar, irei reforçar o apoio prestado nesta área. Terei presente a tremenda importância de estabelecer o vínculo com o seu bebé assim que for possível.
Compete a cada mulher decidir pelo que entender melhor para si. Não sou nem contra, nem a favor da epidural. Considero-a como um recurso. Procurarei informá-la dos prós e contras de cada um dos fármacos, para que possa tomar decisões informadas. Tendo em conta as condições que nos são dadas nos nossos serviços de maternidade, não compreender o recurso a analgésicos seria algo despropositado. Por outro lado, todos temos o direito a mudar de opinião, e decidirmos por aquilo que nos parecer melhor no momento, não esquecendo, claro o bebé.
Eu diria que isso depende muito de cada instituição/ equipa de profissionais de saúde. Pessoalmente estou disponível para em conjunto com a futura mamã e acompanhante, antecipadamente procurar fazer com que seja possível, caso essa seja a vontade manifestada. Se não for possível estar consigo, ficarei à espera até o bebé ter nascido, e dependendo da forma como funciona o serviço, até pessoalmente lhe poder dar os Parabéns!
O meu serviço de Doula será em função daquilo que fizer sentido para si.
O valor do serviço de Doula que tenho previsto é informado no encontro informativo.

Por base, tenho até 3 encontros antes do parto, 2 no pós-parto, telefone disponível 24 horas por dia, disponibilidade total no período previsto de parto, apoio por tempo indeterminado durante o trabalho de parto e parto.
Irei apoiar a amamentação. A nível informativo posso entregar material impresso ou em CD. Tenho filmes que poderemos ver durante os encontros, assim como uma bola de parto e outros equipamentos que consideremos úteis, nomeadamente o banco de parto.
Para quem quiser a preparação para o parto BioNascimento e as Workshops sobre o Parto e
Nascimento, poderão estar igualmente incluídas.

Quando comecei como doula, as mulheres/casais procuravam-me com frequência bem perto do final da gravidez. Nos dias de hoje tenho mulheres que me contactam ainda antes de engravidarem, e outras assim que sabem que estão grávidas. Apesar de haver um plano de encontros e um objectivo, que por norma é o parto com determinados desejos, o contacto o mais cedo possível com a doula pode vir a revelar-se de tremenda importância. Já vivi situações em que os desejos não se puderam concretizar porque situações clínicas não o permitiram. Como doula estou pronta a apoiar qualquer tipo de situação que possa surgir, mesmo as mais dramáticas. Assim como, colaboro com tudo o que sinta que está dentro dos meus limites de conduta e ética. Felizmente estou rodeada de excelentes profissionais de diversas áreas, que na mesma linha de princípios de saúde, são  um valor acrescentado ao trabalho que eu faço como doula.
Calendário de Disponibilidade da Doula

Mais informações

937 201 630 / 964 829 802