Streptococcus B – resultado positivo ou negativo?

/Streptococcus B – resultado positivo ou negativo?

Streptococcus B – resultado positivo ou negativo?

Por ocasião da semana mundial do antibiótico, trazemos aqui um tema que toca a saúde materna: o rastreio do Streptococcus B durante a gravidez, e a administração de antibiótico, por rotina, em todas as grávidas com resultados positivos. No Reino Unido a recomendação do rastreio está a ser revista e o que continua a ser apresentado, após revisão dos fundamentos científicos, é o não rastreio por rotina, exactamente para prevenir a administração de antibióticos sem real necessidade, bem como os seus possíveis efeitos adversos.

Existe alguma evidência de que a introdução do rastreio para todas as mulheres grávidas pode diminuir o número de bebés que desenvolve infecção devido à presença da bactéria, mas a revisão constatou que esses estudos têm limitações, o que significa que os resultados não são totalmente fiáveis.

Devido a estas conclusões, não é possível saber se a introdução de um programa de rastreio traz vantagens ou desvantagens.

Esta revisão que o Reino Unido fez, concluiu que são necessárias mais pesquisas para identificar quais as mulheres grávidas que terão um bebé que desenvolve infecção devido ao Streptococcus B.

Sabendo nós o rigor científico que o Reino Unido procura ter nas suas recomendações, entendemos que deveríamos traduzir o essencial do resumo desta revisão.

“Este relatório atualiza as evidências para o rastreio de mulheres grávidas para despistarem se são portadoras do germe, ou bactéria Streptococcus, Grupo B (SGB). Esta revisão pretende avaliar se os benefícios são superiores aos riscos relativamente à introdução do rastreio de SGB. O Streptococcus B está naturalmente presente nos homens e mulheres saudáveis. Cerca de uma em cada cinco mulheres grávidas é portadora de SGB no seu intestino, vagina ou trato urinário. Geralmente não causa sintomas ou danos. Se uma mulher é portadora de SGB durante o trabalho de parto, há uma pequena probabilidade de contaminar o bebé. Quando isso acontece, a maioria dos bebés recém-nascidos não são afetados por SGB, mas um número reduzido de bebés acaba por desenvolver uma condição grave, nos primeiros seis dias de vida. Esta infeção é designada por “Doença Neonatal Precoce”.

A Doença Neonatal Precoce pode causar septicémia, pneumonia e meningite. A maioria dos bebés com Doença Neonatal Precoce sobrevive sem sequelas. Infelizmente, mesmo com os melhores cuidados de saúde, um pequeno número morre e alguns que recuperam desenvolvem sequelas como surdez ou danos cerebrais.

Com o objetivo de prevenir a infeção por SGB nos bebés, durante o trabalho de parto as mulheres grávidas podem receber antibióticos (através da canalização da veia). Os antibióticos são administrados logo que possível, uma vez iniciado o trabalho de parto e repetidos em intervalos regulares até o nascimento do bebé.
Atualmente, o “National Health System” (NHS – Sistema de Saúde do Reino Unido) oferece este tratamento a mulheres que são portadoras de SGB ou que têm fatores de risco para Doença Neonatal Precoce.

Os fatores de risco incluem febre durante o trabalho de parto, ou um bebé anterior com Doença Neonatal Precoce. Atualmente, nem todas as mulheres com fatores de risco estão a receber tratamento com antibiótico durante o trabalho de parto, o que pode ser em parte devido à escolha pessoal da mulher (pois a canalização da veia pode limitar as opções de parto).

O rastreio por rotina de todas as mulheres grávidas tem sido considerado para identificar mulheres grávidas portadoras de SGB. Este teste de rastreio é realizado entre as 35-37 semanas de gravidez e envolve um teste através de exsudado da vagina e reto. As células presentes nos cotonetes são cultivadas para ver se o SGB está presente. Todas as mulheres que são identificadas como portadoras do SGB é sugerida a administração de antibióticos através da canalização da veia, no decorrer do trabalho de parto.

A Doença Neonatal Precoce é uma condição séria e a revisão concluiu que cerca de um em cada 1.750 bebés nascidos no Reino Unido e na República da Irlanda desenvolvem Doença Neonatal Precoce. Cerca de um em cada 19 bebés com Doença Neonatal Precoce morrerá da infeção.

No entanto, a revisão não recomenda que o rastreio seja introduzido no Reino Unido.

Existem várias razões para isso:

• O programa de rastreio proposto abrange anualmente, no Reino Unido, 718.000 mulheres grávidas que realizariam um rastreio ao SGB, às 37 semanas, no terceiro trimestre da gravidez;

• Se todas aceitassem o rastreio, cerca de 150.800 obteriam um rastreio positivo e seriam propostos antibióticos durante o trabalho de parto cuja administração seria através de veia canalizada.

• Somente 333 destas 150.800 mulheres teriam bebés que irão Doença Neonatal Precoce, porque o teste é insuficiente para prever a infeção de Doença Neonatal Precoce no bebé. As restantes receberiam o tratamento desnecessariamente.

• Não sabemos se existem danos a curto ou longo prazo para a mãe ou o bebé em administrar antibióticos à mãe durante o trabalho de parto e, portanto, não sabemos quantas das 150.800 mulheres e bebés tratados podem ser prejudicados.

• O objetivo de um programa de rastreio deve ser prevenir a doença Doença Neonatal Precoce no bebé e, em particular, os seus piores efeitos. A partir da pesquisa disponível, não sabemos se administrar antibióticos durante o trabalho de parto às mulheres cujo rastreio SGB foi positivo, se reduz o número de bebés que morrem de Doença Neonatal Precoce.

• Houve alguma evidência de que a introdução do rastreio na gravidez de SGB para todas as mulheres grávidas pode diminuir o número de bebés com Doença Neonatal Precoce, mas a revisão constatou que esses estudos têm limitações, o que significa que os resultados não são totalmente fiáveis.

Devido a estas conclusões, não é possível saber se a introdução de um programa de rastreio no Reino Unido traz vantagens ou desvantagens.
Precisamos de mais pesquisas para identificar quais as mulheres grávidas que terão um bebé que desenvolve a Doença Neonatal Precoce.”

Fonte: http://legacy.screening.nhs.uk/groupbstreptococcus

Tradução: Elisa Melo para Bionascimento

By | 2016-11-23T17:56:42+00:00 Novembro 18th, 2016|Sem categoria|Comentários fechados em Streptococcus B – resultado positivo ou negativo?

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   000-089   300-135   9A0-385   1V0-601   70-412   70-347   300-070   000-104   350-060   200-310   70-488   C_TFIN52_66   N10-006   000-017   NS0-157   c2010-657   CAP   70-413   220-801   200-310   200-120   500-260   CISM